Tarde de inverno (nesse calor?!)

Mergulhada no silêncio clichê de uma tarde ensolarada e fria, pensa sem saber no que pensar. Olha para a tela, olha pela janela…. Sente o frio na pele, sente a brisa nos cabelos, sente as borboletas no estômago.

 

Não sabe o que sente nas profundezas, sabe apenas o que os cinco básicos a contam. Sabe apenas que quer deixar de usá-los, deixar de ouvi-los. Deixar o sexto, este confuso, também para trás. Deixar de pensar, deixar de sentir. Apagar a luz. Fechar os olhos e dormir, descansar, acordar nova e sem conflitos.

 

Mas a paisagem é tão convidativa, olhando da janela… Ela não consegue, mesmo que tente, fechar os olhos. Respira o aroma do mato. Das flores que apodrecem, adocicadas. Respira o cheiro azul do céu gelado de junho. E tenta não pensar. E não fecha os olhos. E sente-se atraída pela paisagem, mas não quer pular a janela. Seria estragar tudo pisar a grama?

 

É só esperar a noite chegar, a lua aumentar, as estrelas piscarem. E já será a hora de dormir novamente. E ter, eternamente, paciência.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s